Redução vocálica:

a gradiência na reorganização segmental

Autores

DOI:

https://doi.org/10.47627/gradus.v5i2.143

Palavras-chave:

redução vocálica, reorganização segmental, vogais altas, gradiência, detalhe fonético

Resumo

Este artigo tem por objetivo descrever o fenômeno de redução e apagamento da vogal alta posterior átona, em final de palavras, quando precedida de vogal alta anterior ou glide palatal, como, por exemplo, em tio [??i.?] ~ [??i?] e maio [?ma?? ?] ~ [?ma???]. Sugerimos que o que é tradicionalmente denominado cancelamento, perda ou apagamento vocálico, deve ser compreendido como o estágio final de reorganização segmental, em que um segmento inicialmente presente deixa de ocorrer. Sugerimos também que a reorganização segmental é gradiente e tem impacto na representação fonológica. A Teoria de Exemplares é o modelo teórico adotado neste trabalho. Argumentamos que embora a vogal alta posterior não seja audível em final de palavras, ela é caracterizada de maneira específica a partir do detalhe fonético decorrente da reorganização segmental. O detalhe fonético pode ser experimentalmente investigado e, neste artigo, a investigação foi realizada por análise acústica. Este artigo oferece evidências para a relevância de estudos experimentais em fonologia.

Biografia do Autor

Cecília Valle Souza Toledo, Universidade Federal de Minas Gerais

Mestra em Estudos Linguísticos pela Faculdade de Letras da Universidade Federal de Minas Gerais (2019). Graduada em Letras (Licenciatura em Português) na Faculdade de Letras da Universidade Federal de Minas Gerais (2016). Atualmente, aluna de doutorado no Programa de Pós Graduação em Estudos Linguísticos, na área de Linguística teórica e descritiva, na linha Fonologia. Experiência em Linguística teórica e descritiva - ênfase Fonética e Fonologia. Experiência docente com alunos da Graduação em Letras.

Thaïs Cristófaro Alves da Silva, Universidade Federal de Minas Gerais

Professora Voluntária no Programa de Pós-graduação em Estudos Linguísticos da Universidade Federal de Minas Gerais. Foi professora Titular da Faculdade de Letras da Universidade Federal de Minas Gerais entre 1994-2019. Bolsista de Produtividade em Pesquisa do CNPq, nível 1B. Mestre em Linguística pela UFMG (1986), Doutora em Linguística pela Universidade de Londres (1992) e Pós-Doutorado na Universidade de Newcastle (2002), PUCMINAS (2011) e University College London ( 2017). Fui Presidente da Associação Brasileira de Lingüística - ABRALIN, gestão 2005-2007. Fui Coordenadora da Câmara de Pesquisa em Ciências Sociais, Humanas e Artes da FAPEMIG (Fundação de Amparo à Pesquisa de Minas Gerais) entre 2009-2012 e membro do Comitê Assessor do CNPq na àrea de Linguística entre 2012-2015. Coordenei o GT de Fonética e Fonologia da ANPOLL no biênio 2010-2012 e atuei como sub-coordenadora deste GT no biênio 2008-2010. Coordenei o "Laboratório de Fonologia" da Faculdade de Letras da UFMG entre 2007-2019. Desenvolvo os seguintes projetos de pesquisa: 1) A natureza das representações fonológicas (CNPq 309219/2016-7) e 2) Variação de Sibilantes e Róticos em MInas Gerais (PPM-X--00717-16). Resultados de pesquisa referentes a estes e outros projetos já concluídos podem ser obtidos em minha página na internet: http://www.letras.ufmg.br/profs/thaiscristofaro/ (ver publicações). Acolho alunos com formação em diversas áreas do conhecimento - Letras, Fonoaudiologia, Psicologia, Engenharia, etc. - para supervisão e desenvolvimento de projetos. Coordeno projetos de Iniciação Científica, Monografia, Especialização, Mestrado, Doutorado e Pós-doutorado. Em parceria com o Prof. Hani Camille Yehia desenvolvi uma proposta de ensino interativo de Fonologia e Fonética que pode ser acessada em www.fonologia.org Este projeto busca também documentar amostras de áudio de diversas regiões do Brasil. Minha atuação profissional tem caráter multidisciplinar, sobretudo vinculando-se à Linguística Teórica e Aplicada, com ênfase em fonologia, fonoaudiologia e tecnologia de fala. 

Referências

de Assis, Alessandra Mara (2017). “A emergência de consoantes finais no português brasileiro na microrregião de Araguaína/ Tocantins”. Tese de doutorado. Universidade Federal de Minas Gerais.

Barbosa, Plínio Almeida e Sandra Madureira (2015). Manual de fonética acústica experimental: aplicações a dados do português. São Paulo: Cortez. ISBN: 9788524924217.

Beckman, Mary E. (1996). “When is a syllable not a syllable?” In: Phonological structure and language processing: cross-linguistic studies. Editado por Takashi Otake e Anne Cutler. Berlin: De Gruyter, pp. 95–123. ISBN: 9783110815825.

Bybee, Joan L. (2001). Phonology and language use. Cambridge: Cambridge University Press. ISBN: 9780521533782.

Callou, Dinah, Yonne Leite e João Moraes (2002). “O sistema vocálico do português do Brasil: caracterização acústica”. In: Gramática do português falado: vol. V – convergências. Editado por Mary Aizawa Kato. Campinas: Unicamp, pp. 33–52. ISBN: 9788526806139.

Cristófaro-Silva, Thaïs, Leonardo S. de Almeida e Thiago Fraga (2005). “ASPA: a formulação de um banco de dados de referência da estrutura sonora do português contemporâneo”. Proceedings of the XXV Congress of Brazilian Society of Computing Science, pp. 2268–2277.

Cristófaro-Silva, Thaïs e Christina Gomes (2017). “Teoria de exemplares”. In: Fonologia, fonologias: uma introdução. Editado por Dermeval da Hora e Carmen Lúcia Matzenauer. São Paulo: Contexto, pp. 157–168. ISBN: 9788572449830.

Cristófaro-Silva, Thaïs, Izabel Christine Seara, Adelaide P. Silva, Andreia Schurt Rauber e Maria Cantoni (2019). Fonética acústica: os sons do português brasileiro. São Paulo: Contexto. ISBN: 9788552000792.

Ferreira, Aurélio Buarque de Holanda, editor (2009). Novo dicionário Aurélio da língua portuguesa. São Paulo: Fundação Dorina Nowill para cegos.

Ferreira-Silva, Audinéia e Vera Pacheco (2012). “Características da duração do ruído das fricativas de uma amostra do português brasileiro”. Estudos da Língua(gem) 10.1, pp. 9–28. DOI: 10.22481/el.v10i1.1167.

Foulkes, Paul e Gerard Docherty (2006). “The social life of phonetics and phonology”. Journal of Phonetics 34.4, pp. 409–438. DOI: 10.1016/j.wocn.2005.08.002.

da Hora, Dermeval e Carmen Lúcia Matzenauer, editores (2017). Fonologia, fonologias: uma introdução. São Paulo: Contexto. ISBN: 9788572449830.

Johnson, Keith (2007). “Decisions and mechanisms in exemplar-based phonology”. In: Experimental approaches to phonology. Editado por Maria Josep Solé, Patrice Speeter Beddor e Manjari Ohala. Oxford: Oxford University Press, pp. 25–40. ISBN: 9780199296675.

Kent, Ray D. e Charles Read (2015). Análise acústica da fala. Traduzido por Alexsandro Meireles. São Paulo: Cortez Editora. ISBN: 9788524923852.

Lee, Seung Hwa (2017). “Fonologia gerativa”. In: Fonologia, fonologias: uma introdução. Editado por Dermeval da Hora e Carmen Lúcia Matzenauer. São Paulo: Contexto, pp. 31–45. ISBN: 9788572449830.

Mendonça, Gustavo (2010). “Segmental reduction in sequences of high vowels”. São Paulo School of Advanced Studies in Speech Dynamic. URL: http://200.144.254.127:8080/speechdynamics.pdf.

Meneses, Francisco (2012). “As vogais desvozeadas no português brasileiro: investigação acústico-articulatória”. Dissertação de mestrado. Campinas: Universidade Estadual de Campinas.

Munson, Benjamin, Jan Edwards, Sarah K. Schellinger, Mary E. Beckman e Marie K. Meyer (2010). “Deconstructing phonetic transcription: covert contrast, perceptual bias, and an extraterrestrial view of Vox Humana”. Clinical Linguistics & Phonetics 24.4–5, pp. 245–260. DOI: 10.3109/02699200903532524.

Pierrehumbert, Janet B. (2001). “Exemplar dynamics: word frequency, lenition and contrast”. In: Frequency and the emergence of linguistic structure. Editado por Joan L. Bybee e Paul J. Hopper. Amsterdam: John Benjamins, pp. 137–158.

Pierrehumbert, Janet B., Mary E. Beckman e D. Robert Ladd (2000). “Conceptual foundations of phonology as a laboratory science”. In: Phonological knowledge: Conceptual and empirical issues. Editado por Noel Burton-Roberts, Philip Carr e Gerard Docherty. Oxford: Oxford University Press, pp. 273–304. ISBN: 9780199245772.

Port, Robert (2007). “How are words stored in memory? Beyond phones and phonemes”. New Ideas in Psychology 25.2, pp. 143–170. DOI: 10.1016/j.newideapsych.2007.02.001.

Santiago, Eliana Castelli (2005). “Alteração segmental em sequência de vogais altas no português de Belo Horizonte”. Dissertação de mestrado. Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais.

de Souza, Ricardo Fernandes Napoleão (2012). “Redução de vogais altas pretônicas no português de Belo Horizonte: uma abordagem baseada na gradiência”. Dissertação de mestrado. Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais. URL: https://repositorio.ufmg.br/handle/1843/LETR-96LR2F.

Toledo, Cecília Valle Souza (2019). “Redução da vogal [u] adjacente à vogal alta anterior: uma investigação sobre a implementação da redução vocálica”. Tese de mestrado. Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais. URL: http://hdl.handle.net/1843/LETR-BAFH56.

Vieira, Maria José Blaskovski e Thaís Cristófaro Silva (2015). “Redução vocálica em postônica final”. Revista da ABRALIN, pp. 379–406. DOI: 10.5380/rabl.v14i1.42822.

Downloads

Publicado

2020-12-23 — Atualizado em 2020-12-23

Como Citar

TOLEDO, C. V. S.; ALVES DA SILVA, T. C. Redução vocálica:: a gradiência na reorganização segmental. Gradus - Revista Brasileira de Fonologia de Laboratório, Curitiba, v. 5, n. 2, 2020. DOI: 10.47627/gradus.v5i2.143. Disponível em: https://gradusjournal.com/index.php/gradus/article/view/143. Acesso em: 24 jun. 2021.

Edição

Seção

Artigos