Uma proposta metodológica para o estudo da sincronização da fala em interação com a semântica

Autores

DOI:

https://doi.org/10.47627/gradus.v5i1.151

Palavras-chave:

fala sincronizada, fala conjunta, expectativa semântica, interação, sistemas dinâmicos

Resumo

Este trabalho apresenta uma proposta metodológica que possa viabilizar a
observação da fala sincronizada e sua possível relação com o nível
semântico do enunciado proferido na situação em que duas pessoas leem em
voz alta o mesmo texto. Apresentaremos as bases teóricas e experimentais
do estudo que constituiu um experimento preliminar. A questão central do
estudo refere-se à interação entre um nível mais físico e concreto da
linguagem, a fala, e um nível mais abstrato, a semântica, formulada aqui
como: em que medida a tarefa de sincronização da fala pode sofrer
interferência da quebra de expectativa semântica? A fala sincronizada se
caracteriza como um tipo de fala em que duas pessoas leem o mesmo texto
ao mesmo tempo, o que é fácil e rapidamente obtido. A quebra de
expectativa semântica refere-se a palavras que ocorrem fora de contexto
e, portanto, podem causar um estranhamento em relação ao significado do
enunciado ou do texto. Neste estudo preliminar, foram utilizados dois
tipos de texto (narrativo e expositivo) e duas condições experimentais
(original e alterada), gerando cinco textos diferentes. Trazemos aqui os
resultados das gravações de um par de participantes. Não foram
observadas diferenças significativas entre as condições experimentais;
entretanto, destacamos a diferença, em valores brutos, entre as versões
do texto narrativo. Este estudo, embora preliminar e exploratório,
permite, por um lado, investigar a interação entre falantes
sincronizados, e por outro, indica passos futuros quanto à metodologia.

Biografia do Autor

Verônica Penteado Siqueira, Universidade de São Paulo

Graduada em Letras - Português/Linguística pela Universidade de São Paulo. Mestranda do programa de pós-graduação do Departamento de Linguística da Universidade de São Paulo. Atua como membro do Grupo de Estudos em Fonética da USP desde 2014.

Beatriz Raposo de Medeiros, Universidade de São Paulo

É professora doutora da Universidade de São Paulo desde de fevereiro de 2003. Tem experiência na área de Lingüística, atuando principalmente nos seguintes temas: fonética, fonologia, linguagem, fala e canto. Há duas vertentes em seu trabalho de pesquisa: a questão da nasalidade vocálica em PB, como um gesto complexo, que deve ser estudado à luz de uma teoria fonológica dinâmica e as relações entre a fala e o canto que apontam para os aspectos lingüísticos que interagem com a música.

Referências

Barbosa, Plínio Almeida (2006). Incursões em torno do ritmo da fala. Campinas: Pontes. ISBN: 9788571132337.

Barbosa, Plínio Almeida e Eleonora Cavalcante Albano (2004). “Brazilian Portuguese”. Journal of the International Phonetic Association 34.2, pp. 227–232. DOI: 10.1017/S0025100304001756.

Couper-Kuhlen, Elizabeth e M. Selting (1996). “Towards an interactional perspective on prosody and a prosodic perspective on”. In: Prosody in conversation: Interactional studies. Editado por Elizabeth

Couper-Kuhlen e Margret Selting. Cambridge (UK): Cambridge University Press, pp. 11–56. ISBN: 0521460751.

Cummins, Fred (2002). “On synchronous speech”. Acoustics Research Letters Online 3.1, pp. 7–11. DOI: 10.1121/1.1416672.

Cummins, Fred (2003). “Practice and performance in speech produced synchronously”. Journal of Phonetics 31.2, pp. 139–148. DOI: 10.1016/S0095-4470(02)00082-7.

Cummins, Fred (2009). “Rhythm as an affordance for the entrainment of movement”. Phonetica 66.1-2, pp. 15–28. DOI: 10.1159/000208928.

Cummins, Fred (2009). “Rhythm as entrainment: The case of synchronous speech”. Journal of Phonetics 37.1, pp. 16–28. DOI: 10.1016/j.wocn.2008.08.003.

Cummins, Fred (2013). “Joint speech: The missing link between speech and music?” PERCEPTA-Revista de Cognição Musical 1.1, pp. 17–32. DOI: 10.34018/2318-891X.1(1)17-32.

Cummins, Fred (2018). The ground from which we speak: Joint speech and the collective subject. Newcastle upon Tyne: Cambridge Scholars Publishing. ISBN: 9781527516007.

Cummins, Fred e Robert Port (1998). “Rhythmic constraints on stress timing in English”. Journal of Phonetics 26.2, pp. 145–171.

De Looze, Céline, Stefan Scherer, Brian Vaughan e Nick Campbell (2014). “Investigating automatic measurements of prosodic accommodation and its dynamics in social interaction”. Speech Communication 58, pp. 11–34. DOI: 10.1016/j.specom.2013.10.002.

Demos, Alexander P., Roger Chaffin, Kristen T. Begosh, Jennifer R. Daniels e Kerry L. Marsh (2012). “Rocking to the beat: Effects of music and partner’s movements on spontaneous interpersonal coordination”. Journal of Experimental Psychology: General 141.1, pp. 49–53. DOI: 10.1037/a0023843.

Fernández, Eva M. e Helen Smith Cairns (2010). Fundamentals of psycholinguistics. Chichester: John Wiley & Sons. ISBN: 9781405191524.

Fowler, Carol A., Philip Rubin, Robert E. Remez e Michael T. Turvey (1980). “Implications for speech production of a general theory of action”. In: Language production. Speech and talk. Editado por Brian Butterworth. Volume 1. Ann Arbor: University of Michigan, pp. 373–420. ISBN: 9780121475024.

Galantucci, Bruno e Natalie Sebanz (2009). “Joint Action: Current Perspectives”. Topics in Cognitive Science 1.2, pp. 255–259. DOI: 10.1111/j.1756-8765.2009.01017.x.

Goldstein, Louis, D. Byrd e E. Saltzman (2006). “The role of vocal tract gestural action units in understanding the evolution of phonology”. In: Action to language via the mirror neuron system. Editado por Michael A. Arbib. Cambridge (UK): Cambridge University Press, pp. 215–249. ISBN: 9780521847551.

Goldstein, Louis e Carol A. Fowler (2003). “Articulatory phonology: A phonology for public language use”. In: Phonetics and Phonology in Language Comprehension and Production: Differences and Similarities. Editado por Niels O. Schiller e Antje S. Meyer. Berlim: Mouton de Gruyter, pp. 159–207. ISBN: 3110178729.

Iskarous, Khalil (2005). “Patterns of tongue movement”. Journal of Phonetics 33.4, pp. 363–381. DOI: 10.1016/j.wocn.2004.09.001.

Janczura, Gerson Américo, Goiara Mendonça de Castilho, Nelson Oliveira Rocha, Terezinha de Jesus Cordeiro van Erven e Tin Po Huang (2007). “Normas de concretude para 909 palavras da língua portuguesa”. pt. Psicologia: Teoria e Pesquisa 23, pp. 195–204. DOI: 10.1590/S0102-37722007000200010.

Kelso, Jay A. Scott (1984). “Phase transitions and critical behavior in human bimanual coordination”. American Journal of Physiology – Regulatory, Integrative and Comparative Physiology 246.6, R1000–R1004. DOI: 10.1152/ajpregu.1984.246.6.R1000.

Kelso, Jay A. Scott (1995). Dynamic patterns: the self-organization of brain and behavior. Cambridge (MA): MIT Press. ISBN: 9780262611312.

Kelso, Jay A. Scott, Elliot L. Saltzman e Betty Tuller (1986). “The dynamical perspective on speech production: Data and theory”. Journal of Phonetics 14.1, pp. 29–59. DOI: 10.1016/S0095-4470(19)30608-4.

Kutas, Marta e Kara D. Federmeier (2011). “Thirty Years and Counting: Finding Meaning in the N400 Component of the Event-Related Brain Potential (ERP)”. Annual Review of Psychology 62.1, pp. 621–647. DOI: 10.1146/annurev.psych.093008.131123.

Kutas, Marta e Steven A Hillyard (1983). “Event-related brain potentials to grammatical errors and semantic anomalies”. Memory & cognition 11.5, pp. 539–550. DOI: 10.3758/BF03196991.

Kutas, Marta e Steven A. Hillyard (1980). “Reading senseless sentences: Brain potentials reflect semantic incongruity”. Science 207.4427, pp. 203–205. DOI: 10.1126/science.7350657.

Kutas, Marta e Steven A. Hillyard (1984). “Brain potentials reflect word expectancy and semantic association during reading”. Nature 307.5947, pp. 161–163. DOI: 10.1038/307161a0.

Larsen-Freeman, Diane e Lynne Cameron (2008). Complex systems and applied linguistics. Oxford: Oxford University Press. ISBN: 9780194422444.

Lucci, Elian Alabi, Anselmo Lazaro Branco e Cláudio Mendonça (2014). Território e Sociedade no Mundo Globalizado. 2a edição. São Paulo: Saraiva. ISBN: 9788502220997.

Lupker, Stephen J (2007). “Representation and processing of lexically ambiguous words”. In: The Oxford handbook of psycholinguistics. Editado por M. Gareth Gaskell. Oxford: Oxford University Press, pp. 159–174. ISBN: 9780198568971.

Nieuwland, Mante S. e Jos J. A. van Berkum (2006). “When peanuts fall in love: N400 evidence for the power of discourse”. Journal of cognitive neuroscience 18.7, pp. 1098–1111. DOI: 10.1162/jocn.2006. 18.7.1098.

Port, Robert F. e Timothy van Gelder, editores (1995). Mind as motion: explorations in the dynamics of cognition. Cambridge (MA): MIT Press. ISBN: 9780262161503.

Sebanz, Natalie, Harold Bekkering e Günther Knoblich (2006). “Joint action: bodies and minds moving together”. Trends in cognitive sciences 10.2, pp. 70–76. DOI: 10.1016/j.tics.2005.12.009.

Studdert-Kennedy, Michael e Louis Goldstein (2003). “Launching language: The gestural origin of discrete infinity”. In: Language evolution. Editado por Morten H. Christiansen e Simon Kirby. Oxford University Press, pp. 235–254. ISBN: 0199244839.

Downloads

Publicado

2020-08-10 — Atualizado em 2020-08-11

Versões

Como Citar

PENTEADO SIQUEIRA, V.; RAPOSO DE MEDEIROS, B. Uma proposta metodológica para o estudo da sincronização da fala em interação com a semântica. Gradus - Revista Brasileira de Fonologia de Laboratório, Curitiba, v. 5, n. 1, p. 99-124, 2020. DOI: 10.47627/gradus.v5i1.151. Disponível em: https://gradusjournal.com/index.php/gradus/article/view/151. Acesso em: 24 out. 2020.

Edição

Seção

Artigos